Festa dos Pães Ázimos




O Mandamento

Na Festa dos Pães Ázimos e em Pessach, somente se pode comer pão ázimo (Matzá), comemorando assim a saída do Egito que, ao ser tão precipitada, não deu tempo aos judeus para esperarem que o pão fermentasse.

A festa ocorre no período de 14 – 21 de Nissan à tarde – Ex 12:18.

O 1º e 7º dias são de Santa Convocação, isso quer dizer que não é permitido o trabalho, exceto para preparar o que comer. Ex 12: 16. Nos outros dias, permanecemos comendo pães ázimos, mas podemos desenvolver as atividades normais

O dia da semana varia. Um ano a festa cai na segunda, no outro,  na terça. E assim, vai mudando de um ano para o outro, mas sempre no dia 14 de Nissan

"No primeiro mês, no dia quatorze, pela tarde, comereis pães ázimos até o dia vinte e um do mês, pela tarde. Sete dias, levedura não será encontrada em vossas casas, porque todo aquele que comer levedura, será banida aquela alma da congregação de Israel, tanto o peregrino quanto o natural da terra. Nenhuma coisa levedada comereis; em todas as vossas habitações comereis pães ázimos" (Ex 12:18-20)

Este trecho da Torá deixa claro que não podemos ter fermento em nossas casas no período do dia  14 ao 21 de Nissan. 

O que é o Chametz - levedura?

“Chametz”: Denomina-se Chametz a toda a substância fermentada, procedente dos cinco cereais principais: trigo, cevada, espelta, aveia e centeio.  Segundo a Halachá (Lei Judaica) a fermentação produz-se com o contato da água com estes cereais, ao cabo de dezoito minutos em condições normais.
Alimentos Chametz são, por exemplo: pão, macarrão, bolachas, cerveja, wisky, etc.

O Chametz tipifica o pecado. O Eterno queria que o povo de Israel se purificasse de todo o pecado quando deixasse o Egito. O apóstolo Paulo se referiu uma vez à celebração da Festa dos Pães Ázimos e recomendou:

“Lançai fora o velho fermento (o fermento físico), para que sejais nova massa (filhos obedientes), como sois de fato, sem fermento. Pois também Cristo, nosso Cordeiro pascal, foi imolado. Por isso, celebremos a Festa não com o velho fermento, nem com o fermento da maldade e da malícia (o pecado), e sim com os asmos da sinceridade e da verdade.” I Co 5: 7-8.

Assim como retiramos o fermento de nossas casas, devemos retirá-lo totalmente de nossas vidas. Uma nova vida com o Eterno é uma vida sem pecado, onde nos dispomos a caminhar em obediencia à Torá. Sabemos que somos falhos, mas não devemos viver conformados com isso: “ah.. eu sou falho mesmo” ou “eu não vou conseguir, nem vou tentar”.

A Graça nos foi dada desde o princípio e ela nos leva a fazer a vontade do Pai. Precisamos viver pela Graça, em obediencia à Deus. Isso é uma vida plena com Ele!

O fermento tem o poder de contaminar, de se alastrar. “Não sabeis que um pouco de fermento leveda toda a massa?” Temos a responsabilidade de não semear fermento entre os irmãos. Falatórios inúteis são uma forma perigosa de fermento. Lashom hará! Lingua malévola. Devemos ter todo o cuidado e nos arrepender de toda intenção de falar mal de algum irmão. Podemos lançar dor e sofrimento na casa do Eterno. Vigiemos os nossos lábios!

Voltando à proibição do Chametz, ela inclui também outras categorias:

“Seor”: Levedura e todo o agente fermentante.

“Taarobet Chametz”: Qualquer comestível que contenha, ainda que na mesma proporção, algum ingrediente Chametz.
Assim sendo, temos que excluir também os 5 cereais que tem tendência a fermentar: trigo, cevada, espelta, aveia e centeio.

Retirando o Chametz
Não podemos encontrar fermento em casa - Ex 12:19-20
Com antecipação à véspera dos Pães Ázimos deve-se limpar a fundo toda a casa de maneira a que não fique chametz na nossa propriedade.

Temos de tirar todo o fermento dos nossos domínios: Casa, escritório, nossas gavetas e armários no local de trabalho, carro, etc...

Da Casa

Não somente está proibido ingerir mas também possuir Chametz, pelo que devemos despojar-nos de qualquer alimento Chametz antes da véspera da festa.

Na maioria dos lares judaicos, os preparativos para Pêssach iniciam-se logo após a festa de Purim, em torno de um mês antes de Pêssach. O objetivo de tamanha antecedência é o cuidado minucioso que deve ser atribuído a cada um para eliminar totalmente o chamêts de sua propriedade, seja ela sua casa, escritório, automóvel, etc.

Já nessa época (um mês antes), começamos a diminuir a compra dos Chametz, a fim de não haver desperdícios. Juntamos todos eles em uma bacia ou cesta para que possam estar em evidencia em nossas cozinhas. Prepare e sirva tudo antes do dia 13 de Nissan. Mas se ainda sobrar alguma coisa, faça uma doação à algum vizinho ou amigo não judeu. Pode também ser doado para pessoas carentes. Biscoitos industrializados, pacotes de farinha de trigo, caixas de aveia, trigo, cevada, espelta, aveia e centeio, levedo de cerveja, torradas, macarrões, empanados, farinhas para empanar, lasanhas congeladas, bombons com biscoito dentro e com flocos crocantes (tipo Sonho de Valsa, Bis, Choquito, etc)

Para eliminar todo o chamêts, alguns cuidados são tomados. A limpeza é planejada para que todos os aposentos sejam muito bem limpos.

Devemos revisar todos os compartimentos, canto a canto e especialmente a dispensa e o refrigerador, bem como todo o armário onde normalmente se guarde alimentos chametz.
Alimentos para animais de estimação geralmente contêm chamêts. Consulte um rabino para saber como proceder."

Do Escritório, Carro, Etc.
Além de toda a casa, os seguintes lugares devem ser conferidos para assegurar-se que estão livres de chamêts: escritório, carro, bolsos das roupas (especialmente de crianças) livros de bolso, bainhas de calças, punhos de roupas, além do aspirador de pó (o saco descartável deve ser removido e a caixa limpa, caso seja saco não descartável, o mesmo deve ser lavado).

“Bedicat Chametz” – Um Costume

Na noite entre  13 e 14 de Nissan, aproximadamente vinte minutos depois do sol posto, realiza-se a Bedicá, ou seja, a procura minuciosa dos restos de chametz que puderam ter ficado nas nossas propriedades (casa, loja, automóvel, etc.).

Costuma-se esconder dez pedaços de pão bem envoltos em papel para incentivar quem realiza a Bedicá e se esmere na procura. A busca geralmente é feita utilizando a luz de uma vela.

Antes da Bedicá, diz-se a seguinte bênção:

“BARUCH ATÁ ADONAI ELOHENU MELECH HAOLAM ASHER KIDESHANU BEMITZVOTAV VETZIVANU AL BI’UR CHAMETZ”.

BENDITO SEJAS TU, ETERNO NOSSO ELOHIM, REI DO UNIVERSO, QUE NOS SANTIFICASTE COM OS TEUS MANDAMENTOS E NOS ORDENASTE ELIMINAR O CHAMETZ”.

Continua-se a procura mas sem falar.  Uma bênção é suficiente para a revisão de várias propriedades (isto é, várias casas).

“Bitul”: Finalizada a Bedicá realizar-se-á a anulação (Bitul) do chametz que não se encontrou, pronunciando a seguinte fórmula:

“Toda a levedura e substância fermentada que se encontre em minha propriedade, que não vi nem eliminei, seja anulada e considerada como o pó da terra”.

Depois guarda-se o chametz que se encontrou até a manhã seguinte e se disporá de um lugar adequado para a cena dessa noite e o pequeno almoço do dia seguinte, tendo o cuidado de não aspergir as migalhas de pão ou de bolachas para que não seja necessário uma segunda revisão.

“Bi’ur chametz”: Depois do pequeno almoço costuma-se queimar o chametz que sobejou (como também se pode lançar ao rio ou pelo esgoto), junto com o que encontramos na noite anterior na Bedicá, em recordação dos restos que sobravam dos sacrifícios que deviam ser queimados uma vez passado o seu tempo.
Finalmente, deve-se pronunciar, como na noite anterior, a anulação (Bitul) de maneira mais detalhada: 

”Toda a levadura e substância fermentada, que vi, que eliminei ou que não eliminei, seja anulada e considerada como pó da terra”.

Desta maneira damos a entender que ainda que possa ficar algo de chametz, já não nos pertence, pois não estamos interessados nele.

“Achilat Matzá” :Durante a véspera da festa, costuma-se não comer Matzá até o momento do Seder, para demonstrar a diferença entre o que é permitido e o que é obritório e cumprir o preceito de comê-la com desejo e apetite.

“Asiá Melachá”: Depois do meio dia, costuma-se não trabalhar a fim de consagrar todo o tempo à preparação das Matzot e o necessário para o Séder que se realizará nessa noite."

  
O que podemos comer?

O arroz, o milho, os grãos, os legumes em geral e outros cereais que não pertencem às cinco espécies, o polvilho e a maisena não se consideram Chametz."
Desta forma, podemos consumir arroz, milho branco e amarelo, batatas, mandioca, e seus derivados. 
O matza, o pão sem fermento, típico da festa, pode ser consumido, embora feito com farinha de trigo porque recebe tratamento especifico para não produzir fermento. Pode ser aproveitado de diversas maneiras: com geleia, com requeijão, quebradinho com ovos mexidos, etc.

Temos uma variedade de receitas que podemos utilizar para suprir a família e deixar a Festa dos Pães Ázimos deliciosa. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário